A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia dá prazo de 24 h para CPI esclarecer quebras de sigilo de Ricardo Barros. Cármen Lúcia determinou ontem, quinta-feira (19), um prazo de 24 horas para que os senadores da CPI esclareçam as quebras dos sigilos telefônico, fiscal, bancário e telemático do líder do governo na Câmara, Ricardo Barros.Essa decisão ocorre em resposta a um mandado de segurança impetrado pelo deputado federal contra o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM), antes mesmo de a CPI oficializar a quebra dos sigilos.


Hoje os senadores aprovaram 187 requerimentos, entre eles o acesso aos dados fiscais de Ricardo Barros e do advogado do presidente Jair Bolsonaro, Frederick Wassef. O requerimento para quebrar o sigilo de Ricardo Barros foi apresentado pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e aprovado pela maioria na comissão. O motivo do pedido são as acusações feitas pelo deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) e pelo irmão do parlamentar, Luis Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, de corrupção no contrato para compra da vacina indiana Covaxin. Ambos afirmam que, o presidente Jair Bolsonaro atribuiu as suspeitas de irregularidades envolvendo as negociações para aquisição do imunizante a um "rolo" do líder do governo na Câmara.

Redação e edição: Rádio Metropolitana Am 930