16 cidades do Ceará serão investigadas pelo Ministérios Público por desperdiçar vacinas contra Covid-19. O Ministério Público do estado do Ceará investiga um possível desperdício de vacinas contra a Covid-19 em 16 de seus municípios. De acordo com a Secretaria da Saúde (Sesa), erros no estoque, acondicionamento inadequado e não utilização no prazo estariam entre os fatores que podem estar levando ao perecimento de vacinas.

 

Conforme os dados da Sesa, até o dia 8 de novembro, 16 municípios oficializaram perdas de imunobiológico, especialmente da Pfizer, por irregularidades na cadeia de frio e conservação das doses, totalizando 14.627 doses que deixaram de ser aplicadas na população.

 

Os promotores de Justiça vão fazer recomendações aos gestores dos municípios, que deverão tomar medidas para garantir a ampla cobertura vacinal, especialmente da segunde dose na população acima de 12 anos de idade, atuando com agilidade, busca ativa, desburocratização e simplificação do processo de vacinação, bem como realizando rigoroso controle do estoque dos imunizantes e evitando desperdício de vacinas, seja por vencimento dos produtos, mau acondicionamento ou outra causa.

 

Confira a lista de municípios abaixo:

Crato (5.322 doses)

Pacajus (2.340 doses)

Aquiraz (2.280 doses)

Barreira (1.248 doses)

Pindoretama (1.104 doses)

Icó (618 doses)

Orós (420 doses)

Hidrolândia (354 doses)

Jijoca de Jericoacoara (252 doses)

Porteiras (192 doses)

Ipaumirim (150 doses)

Potengi (102 doses)

Monsenhor Tabosa (84 doses)

Varjota (77 doses)


Redação e edição: Rádio Metropolitana Am 930